"E a minha procura ficará sendo minha palavra."
(Carlos Drummond de Andrade)

quinta-feira, 10 de abril de 2014

GRUPO EXPANDINDO FRONTEIRAS (Quinta - 18 horas)

Despedida no portão 6
João Victor Sardinha

Eram 14:00h e eles já estavam no aeroporto Tom Jobim. Joey e Isabela estavam saindo do restaurante após o almoço. Isabela suspirou, estava cabisbaixa o dia inteiro, mas não reclamara e nem chorara, estava tentando ser forte pelo seu namorado.
― Está na hora... – Joey comentou.
Ele não sabia o que estava sentindo, era um pouco de tristeza, de felicidade e muita ansiedade.
― Sim, melhor irmos em direção ao portão – respondeu Isabela.
Joey estava andando calado, assim como Isabela, então começou a lembrar o que o levou até ali: Ele fazia curso de inglês há dois anos, quando surgiu a oportunidade de um concurso para uma bolsa na faculdade de cinema de Nova Iorque. Ele se inscreveu. Após ser reprovado (na 104ª posição de 100), ele começou a namorar Isabela, porém, muitas pessoas desistiram da bolsa e ele foi para 86ª posição. Ele desistiria por ela, mas Isabela não permitiu.
― Trouxe tudo? – perguntou Isa – Passaporte, passagem?
― Amor, estou levando tudo. – respondeu Joey - Menos o que eu mais queria...
Joey olhou para baixo e segurou a mão dela.
― Eu já disse que não posso, Amor... Eu tenho trabalho aqui! – ela não aguentou e começou a chorar.
― Não chore, por favor! Eu te amo – ele a beijou.
―  “Embarque no portão 6” – informou a chamada da companhia aérea.
― Adeus, meu amor, e lembre-se de que aqui ou nos EUA, na França ou na China, meu coração sempre será seu.
Eles deram mais um beijo sem saber quando seria o próximo. 


Entre irmãos
Lourenço Sertã de Almeida

Já estava amanhecendo quando o despertador tocou e os dois irmãos, com sono e bocejando, levantaram da cama. Havia chegado o dia de Eduardo ir para a casa do seu amigo, passar o final de semana. Olhares se cruzaram e eles se abraçaram, enquanto vestiam o uniforme do colégio. 
A mala do Eduardo já estava pronta, pois ele iria direto do colégio visitar o Felipe e só retornaria na segunda feira.
Estavam com o coração apertado, mas ainda tinham uma jornada até o colégio juntos. Depois de lá chegarem, teriam de se despedir.
Eduardo, já na entrada, encontrou o seu amigo e juntos ficaram imaginando o que poderiam fazer naquele final de semana. Enquanto isso, Otávio se dirigiu lentamente até a sua sala.
― Tchau, maninho! – disse Eduardo.
Otávio olhou para trás e correu para dar um último abraço em seu irmão.
― Faça seu dever de casa e cuide bem da vovó. Lembre-se da sua aula de amanhã. – disse Eduardo.
― Pode deixar, Edu, divirta-se e tire uma foto do cachorrinho do Felipe. Eu nunca vi um filhotinho daquela raça – respondeu Otávio.
― Ok! Se cuide! Tchau!
― Tchau, mano!
E foram suas últimas palavras. Eduardo partiu preocupado e Otávio ficou com o coração apertado, pois era muito apegado ao irmão, mas mesmo com saudades retomou seu rumo à sala de aula.


O dia fatídico
Luiz Carlos de Castro Vianna

Vinícius aceitou uma oportunidade de emprego em São Paulo. 
Sua mãe estava nervosa, pois morava muito longe dali. Eles moravam no Rio de Janeiro. 
No dia de sua partida, Vinícius já estava pronto para embarcar quando bateu aquela saudade:
― Mãe, não estou partindo porque não gosto de você, mas por causa do meu emprego.
Então a mãe falou com preocupação:
 Meu filho, vá sem medo, mas não tome nenhuma atitude errada.
E o filho respondeu:
 Sentirei muito a sua falta.
E sua mãe confessou:
 Eu também sentirei sua falta.
Vinícius sabia que tinha que seguir sua carreira, mas a mãe sentia que faltava um pedaço dela. 


Histórias Cruzadas
Matheus Rodriguez

Certo dia, no porto do Rio de Janeiro, tristeza e felicidade estavam reunidas no momento da despedida.
Reinaldo iria viajar para a Espanha e para a Alemanha. Ele iria ser tripulante de uma embarcação para procurar uma melhor condição de vida para ele e sua família.
Reinaldo era um rapaz muito humilde, nunca tinha saído do país. Ele estava ansioso e empolgado, já sua mãe, nem tanto. Ela caiu nos braços de Reinaldo chorando:
- Por favor, não vá, já estou com saudades. Você é o meu único filho, não posso te perder.
- Mãe, fique tranquila, estou indo buscar nossa felicidade.
- Estou com o coração apertado, mas tudo bem – disse a mãe.
- Muito obrigado por me apoiar e por me compreender! - agradeceu o filho.
Aconteceu a chamada do navio, ele iria partir. 
Reinaldo sabia que era a hora de ir. Diante dele havia horizontes para conhecer e oceanos para descobrir.
Reinaldo seguiu feliz para sua embarcação, embora tímido e apreensivo
De lá do alto, acenou para a sua mãe.


Uma aventura no Canadá
Pedro Paulo Vivas de B. Pimentel

Marcelo e Rodrigo era muito amigos e um dia viram juntos um programa na televisão. Era a história de um aventureiro que foi para uma floresta do Canadá mostrar como viviam os animais e as plantas daquele local. O objetivo do programa era ensinar como sobreviver perdido e sozinho em uma floresta. Foi daí que Marcelo tirou a ideia de viajar.
No aeroporto, Marcelo e Rodrigo se despediram. Eles só se veriam depois de vinte dias, então, deram um forte abraço. 
Rodrigo pediu:
- Volte logo! Não deixe um urso te comer.
E Marcelo riu e respondeu:
- Vou fazer vídeos e tirar fotos para te mostrar.
- Valeu! Ah, já está na hora do seu voo partir!
- Tchau, te vejo daqui a vinte dias.
Rodrigo voltou para casa arrependido por não ter ido com Marcelo e ficou torcendo para que tudo desse certo.


A despedida da mãe
Tiago H. Stefanelli

Rodrigo foi para o aeroporto internacional do Rio de Janeiro com sua mãe, Paula. Eles foram direto fazer o check-in. 
Rodrigo estava muito nervoso, porque ele iria para a Itália sozinho. Ele queria trabalhar e aprender novas línguas. 
Naquele momento, antes mesmo que ele partisse, a sua mãe já sentia saudades. Quase chorando, ela disse:
- Vá, sei que é para o seu bem.
Ele respondeu:
- Eu sei, mas vou ficar com muitas saudades de você.
- E eu vou sentir o dobro, o triplo, o quádruplo... – respondeu Paula.
Quando ele estava se dirigindo para o avião, viu que o voo estava atrasado e voltou correndo. A mãe perguntou:
- O que aconteceu?
Ele respondeu:
- O voo está atrasado e vou ter que esperar um pouco mais.
- Que bom! Você poderá ficar mais tempo comigo – falou a mãe.
Eles ficaram conversando até Rodrigo ser chamado para embarcar. 
Depois disso, Rodrigo disse:
- Mãe, agora é a hora mesmo, de verdade.
- Eu sei. Vá com Deus!!!  - disse a mãe chorando.
E Rodrigo foi sem falar nenhuma palavra mais.


As emoções
João Gabriel Moreira Santos Leite

Pedro e Beatriz estavam no aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro. Pedro estava pronto para ir à Rússia, mas estava com muito medo porque era a primeira viagem mais longa que ele faria na vida. 
Beatriz e Pedro eram os melhores amigos, ela estava muito orgulhosa por Pedro participar das olimpíadas de inverno na Rússia. Beatriz falou:
- Vá, você merece, porque você é a pessoa mais legal que já conheci.
Pedro disse:
- Posso te falar uma coisa?
Beatriz respondeu:
- Claro que sim.
- Eu te amo – ele se declarou.
- Eu também – ela respondeu.
A aeromoça chamou o voo para Rússia, que sairia em poucos minutos. Então, Pedro falou:
- Volto para ficar com você. Tchau.
Beatriz disse:
- Boa viagem! Ganhe a olimpíada!
Pedro foi em direção ao avião mais orgulhoso e feliz do que estava antes.

Nenhum comentário: