"E a minha procura ficará sendo minha palavra."
(Carlos Drummond de Andrade)

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Quando o carteiro chegou...


Monteiro Lobato

QUANDO O CARTEIRO CHEGOU...
Cartões-postais a Purezinha
(Organização e apresentação Marisa Lajolo)

Os cartões-postais que este livro reúne acampanham os quase dois anos de noivado do escritor Monteiro Lobato com sua futura esposa, Maria da Pureza Natividade. São textos curtos, vibrantes de paixão e de saudade. Ao mesmo tempo em que reinteram o amor do noivo, dão conta do seu dia-a-dia em Taubaté ou em Areias, pacatas cidadezinhas do interior paulista.
Além da bela história de amor que contam, os cartões-postais aqui reunidos são muito bonitos. Documentam um tempo em que era moda colecionar postais e mostram que, nas mãos de um correspondente tão íntimo da palavra escrita como Monteiro Lobato, o gesto de escrever é sempre uma forma de criação, ainda que em espaços apertados e convencionais como um cartão-postal, onde frente e verso são transformados em desafios para sua imaginação de escritor apaixonado.

terça-feira, 11 de agosto de 2009

Cultivando Amizade!


"Você se torna eternamente responsável por aquilo que cativa."
(Antoine de Saint-Exupéry, O Pequeno Príncipe)


Durante todo o semestre,
vamos cuidar de uma amizade muito especial.
Através de pequenas surpresas,
faremos alguém feliz!
Exercitaremos nossa capacidade de cativar o outro,
aprofundando laços.
Seremos e teremos um amigo secreto!
Aos poucos, nos revelaremos em textos
e em atitudes.
Sem pressa, conheceremos e nos deixaremos conhecer,
dedicando tempo a essa amizade.


"Qualquer dia, amigo, a gente vai se encontrar."
(Fernando Brant e Milton Nascimento, Canção da América)

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Correspondências


"AS PALAVRAS SABEM MUITO MAIS LONGE."
(Bartolomeu Campos Queirós)



Começamos um novo projeto intitulado CORRESPONDÊNCIAS, nele trabalharemos com a modalidade de texto carta. Conheceremos o livro Correspondência, de Bartolomeu Campos Queirós, e aprenderemos que as palavras quando bem escolhidas se tornam verdadeiros presentes. Algumas palavras precisam ser "acordadas" e outras queremos que "adormeçam" para sempre.
“Querido Mateus,

Palavras que amamos tanto, há muitos anos, dormem em dicionário. Hoje tirei do sono três palavras para dar de presente a você: Livre, Terra e Irmão.
Quando escritas, lê-se poesia; se faladas, são melodia; somadas, fazem um novo dia.

Com saudades, despede a
Ana”


“Sara, amada,

Como são fortes as palavras! Elas dizem coisas que só o coração escuta. Se escritas sobre papel claro, ficam mais iluminadas e eternas. Sei que as palavras podem abrir novo caminho.
Procurei dentro de mim alguma palavra dormindo. Só encontrei uma: Igualdade. Ela nos permite viver as diferenças.

Até muito em breve,
Lucas”


"Amigo Marcos,

Eu já falei do meu carinho pelas palavras. Mateus me escreveu. Dentro do envelope estavam três palavras escolhidas. Disse-me que Pátria, Trabalho e Justiça não podem ficar esquecidas. Guardei, com cuidado, no coração o seu presente. Sinto vontade de gritá-las. Sei que a terá inteira vai gostar de ouvi-las. Não vou acordar palavras para dar de presente a você. Peço sua ajuda para fazer dormir palavras que a muito andam acordadas: Fome, Opressão e Violência.

Todo carinho da
Maria"
(Bartolomeu Campos Queirós)
Queremos convidar os amigos do Blog do Palavra Mágica para uma ciranda de cartas. Escolha três palavras para dar de presente para os nossos leitores, escreva uma pequena carta e poste-a como comentário. Juntos expressaremos a força de nossas palavras!